Como viajar de avião com seu pet

Quem costuma viajar de avião sabe que existem várias determinações que devem ser cumpridas no trajeto. Mas e quando é necessário levar o seu pet com você para um determinado local, você sabe quais são as regras?

Um dilema comum enfrentado por quem possui animais de estimação é o de onde deixá-los durante um período de viagem. E se o prazo for maior do que o desejado, essa pode ser uma dúvida ainda mais difícil de ser solucionada. 

Em geral, existem opções de hospedagem para pets, ou mesmo a possibilidade de pedir para que algum amigo ou parente possa cuidar do bichinho por alguns dias, mas nem sempre essas alternativas são viáveis. 

Até porque, em alguns casos, há ainda os donos de cachorros ou gatos que não querem ficar longe dos seus companheiros, o que faz com que eles queiram levá-los para o local de destino. 

Entendendo essa necessidade dos passageiros, as principais companhias aéreas oferecem o serviço de transporte de animais, de maneira que é possível levar o seu pet em uma viagem que você precise fazer. 

Porém, assim como em um processo de gestão de resíduos, existem regras estipuladas por essas empresas, e que não são iguais para todas, uma vez que não há uma legislação específica para isso no Brasil. 

Sendo assim, conhecer as principais determinações sobre o assunto pode ajudar você a se organizar melhor, garantindo que nenhuma das etapas seja esquecida e prejudique a sua viagem. 

Afinal, o processo de transporte de animais em companhias aéreas pode ser um tanto burocrático e complicado, de forma que é essencial estar preparado para cumprir os requisitos estabelecidos pela companhia escolhida.

Para conhecer o tema e algumas dicas que podem ajudar você a viajar de avião com o seu animal de estimação, siga na leitura deste artigo. 

As regras para viajar de avião com o seu pet

Quem já viajou de avião sabe que existem várias etapas até a entrada na aeronave. É preciso apresentar documentos, despachar a mala, dirigir-se até o portão de embarque por meio das vans para aeroporto, apresentar a passagem e encontrar a sua poltrona.

Se para uma viagem normal esse já pode ser um processo longo, imagine para quem precisa levar o seu bichinho no avião. 

É preciso ressaltar que cada companhia aérea possui as suas próprias regras. Isso quer dizer que a determinação seguida para levar o seu pet em um trajeto pode ser diferente da sua próxima viagem, principalmente se você optar por outra empresa para embarcar.

Sendo assim, conhecer os procedimentos é fundamental, mas é sempre necessário consultar de maneira específica se houveram alterações ou se há outras especificações que precisam ser seguidas.

Em geral, o transporte aéreo para pets possui regras como:

  • Pagamento de taxa;
  • Levar o animal em caixa de transporte;
  • Apresentação de documentos; 
  • Identificação do animal;
  • Restrição de raças.

As companhias aéreas cobram uma taxa de quem deseja levar os seus pets. O valor varia em cada empresa, e também há diferenças para destinos nacionais e internacionais. 

1. Pagamento de taxas

Esses custos podem ser cobrados por trechos, por isso, é importante consultá-los antecipadamente. 

2. Levar o animal em caixa de transporte

Como não poderia deixar de ser, já que é fundamental garantir a segurança de todos os passageiros, o transporte de pets em companhias áreas precisa ser feito em uma casa plástica para cães ou gatos, conhecida como kennel (canil).

É importante que o proprietário garanta que o espaço da caixa de transporte seja compatível com o tamanho do animal, evitando o desconforto do pet durante o trajeto. 

As companhias aéreas possuem restrições específicas, que podem ser em relação ao tamanho do kennel, do peso máximo, do material rígido ou flexível, etc.

Além disso, as caixas de transporte devem estar identificadas com os dados do passageiro, de forma que inserir uma tag adesivo é essencial para facilitar esse processo. 

Por isso, não deixe de consultar a empresa responsável pela sua viagem sobre essas limitações, para evitar problemas no embarque.

3. Apresentação de documentos

Outro ponto de grande importância na viagem de avião com pets é justamente a documentação necessária para poder levar o animal. Isso porque é essencial comprovar que o bichinho está com a saúde em dia, garantindo a segurança de todos. 

O primeiro documento exigido é um atestado sanitário, que mostra as boas condições da saúde animal. Além disso, a carteira de vacinação deve estar em dia, apresentando principalmente a validade da vacina da raiva, obrigatória no Brasil. 

Também é preciso de um passaporte de trânsito para cães e gatos, que deve conter um registro do veterinário com as informações sanitárias. 

Caso o seu destino seja fora do território brasileiro, ainda é necessário apresentar o Certificado Veterinário Internacional. 

Para fins de registro, você pode recorrer a uma empresa de digitalização de documentos SP para guardá-los, mas eles devem ser apresentados no embarque e precisam estar dentro da data de validade. 

Dessa forma, é importante consultar os prazos e se organizar para emitir os documentos no tempo correto, evitando que eles expirem antes da sua viagem.

4. Identificação do animal

Algumas companhias ainda exigem a identificação do animal, que pode ser via chip ou pela tatuagem de identificação. No caso do microchip, é preciso levar o comprovante de implantação do dispositivo.

Essa regra é ainda mais fundamental para o serviço de transporte de animais oferecido pelas empresas em casos onde o proprietário não vai viajar, enviando o pet sozinho. 

5. Restrição de raças 

As raças de pets conhecidas como braquicefálicas, as que possuem o focinho curto, podem não estar autorizadas dentro de um voo. 

Isso porque o sistema respiratório do animal é diferenciado, o que faz com que a pressão atmosférica sentida por eles seja prejudicial para a saúde. 

Por isso, antes de fazer uma reserva ou comprar uma passagem, verifique com a companhia sobre essas limitações. 

Esses processos são aplicados para promover o conforto e a segurança de todos os passageiros de um voo. Por isso, assim como nos serviços aduaneiros, a viagem de um pet deve seguir as instruções e regulamentações em trechos nacionais e internacionais. 

Dicas para viajar com o pet

Se muitas vezes é difícil viajar com um bichinho de estimação dentro do carro, levá-lo em uma viagem de avião pode ser ainda mais complicado. 

Sendo assim, algumas dicas podem ajudar você a preparar o seu pet para o trajeto, visando a tranquilidade e o bem-estar dele. 

Chegue com antecedência no aeroporto

Chegar com antecedência no aeroporto é uma recomendação importante. Isso porque o bichinho vai se acostumando com a grande movimentação do local, principalmente se ele for dentro da cabine com você. 

Além disso, é possível fazer o check-in com maior tranquilidade, despachando as malas na esteira transportadora e se dirigindo para o local de embarque no momento adequado. 

Deixe a identificação do animal visível

Assim como a caixa de transporte deve estar identificada, é importante colocar uma coleira com os seus dados no animal. 

Em qualquer imprevisto, a identificação do animal é muito mais rápida, evitando transtornos para você e para o seu pet. 

Habituar o animal na caixa de transporte antes da viagem

Se o seu bichinho de estimação não possui o hábito de ser levado em uma caixa de transporte, é essencial criar o hábito antes da viagem, para que ele não fique estressado durante o trajeto.

Por isso, alguns dias antes do embarque, crie uma familiaridade dele com o kennel, de forma que ele possa passar o período dentro do avião sem grandes agitações. 

Passear com o pet antes do voo e cuidar da alimentação

Antes de entrar na aeronave, é indicado que você leve o bichinho para dar um passeio na área, de forma que ele gaste parte da sua energia e possa até mesmo dormir durante o trajeto. 

Além disso, não deixe de alimentá-lo antes, uma vez que estar saciado pode trazer maior tranquilidade para ele. Mas não se esqueça: por ser um transporte diferente do que ele está acostumado, dê preferência para refeições leves. 

Esse cuidado pode evitar enjoos, o que certamente deixaria o animal impaciente e debilitado durante a viagem. 

Considerações finais

Assim como para contratar um serviço de tradução de documentos, ao precisar viajar e levar o seu pet junto com você, não deixe de consultar as regras envolvidas no trâmite. 

Isso porque, além de se preparar e conseguir coletar a documentação e organizar a data para evitar imprevistos, você terá maior tranquilidade no momento do voo, podendo dar a atenção necessária para o seu bichinho de estimação. 

Dessa forma, a experiência em levar o pet para uma viagem de avião pode ser mais natural, e fazer com que você queira a companhia do seu animalzinho em todos os embarques futuros. 
Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

Deixe uma resposta