Seguro Viagem: dicas de como escolher o seu

13 de abril de 2020
O Viajante

Se você acha que acidentes nunca vão acontecer com você ou que sua saúde é boa e não precisa de um seguro viagem, esse texto pode te esclarecer algumas coisas.

Nós entendemos que uma viagem pode ser cara o bastante para não sobrar dinheiro para outras coisas, como um seguro viagem, porém, essa deveria ser sua prioridade ao planejar uma viagem.

Lembre-se que você pode estar viajando para um lugar que a culinária pode ser muito diferente da sua usual, e o seu intestino pode não receber tão bem essa comida, fazendo que você passe algum perrengue, e o seguro viagem pode te livrar disso.

O seguro viagem funciona de que forma?

Pense que esse seguro viagem age como se fosse um plano de saúde provisório e com limite de validade, ou como o seguro do seu carro, de forma temporária também.

Essa validade vai durar o período que você contratou e dentro nas cláusulas especificadas previamente no ato de contratação.

Geralmente esses seguros viagem são voltados para viagem internacionais, pois é onde os nossos planos de saúde nacionais não “funcionam”.

Contratação do seguro viagem

Antes de fechar o contrato do seu seguro viagem, certifique-se de que não é uma assistência de viagem, pois são comumente ditos como se fosse a mesma coisa, mas não é.

O seguro viagem permite que o contratante peça o reembolso de todo o valor que a pessoa pagou por eventuais despesas médicas.

Para que esse reembolso seja efetuado, é de suma importância que o contratante demonstre todos os comprovantes que possam provar o atendimento realizado.

A parte de comprovação pode ser complexa, mas a maior vantagem é que aquele que contratou vai poder escolher o lugar que quer ser atendido, mesmo que o local escolhido não faça parte da rede conveniada do seguro contratado.

No caso da assistência de viagem, o contratante deve ligar antes de ser atendido, perguntar qual o local disponível e dessa forma não haverá necessidade de nenhum reembolso, pois a assistência vai arcar com os custos – obviamente, dentro dos limites acordados. A desvantagem está justamente nesse local que tem que ser escolhido pela assistência, e em casos de urgência, isso pode ser um problema.

Algumas seguradoras costumam oferecer esses dois serviços, separadamente ou no mesmo pacote, e isso pode te dar uma sensação de garantia maior. Por esses motivos, então preste muita atenção na hora da contratação.

Preciso mesmo ter um seguro viagem?

Você não é de ferro! Como todos, você está suscetível a acidentes e imprevistos. Quando alguém viaja é para desestressar e relaxar, se você tem a opção de evitar ter dor de cabeça e conseguir solucionar os problemas de maneira fácil e descomplicada, aproveite!

Além disso, alguns lugares no exterior tem um custo muito alto no que se refere a saúde, são poucos os países que têm um sistema de saúde gratuito. Você vai precisar pagar todas as despesas, nos casos de saúde (consulta, remédios, ambulância ou até internação).

Por esse motivo, evite gastar suas economias, que você separou para o seu lazer, em algo que pode ser garantindo antes mesmo da sua viagem.

O seguro viagem é caro?

Vai parecer clichê, mas é a verdade: o barato sai caro! O fato de que você está contratando um serviço que só vai te ajudar é um dos investimentos mais baratos e prioritários que você pode fazer na sua vida. Obviamente você vai escolher o que cabe no seu bolso, mas não deixe de tê-lo!

O que podemos recomendar para você que está interessado em um seguro viagem é que pesquise os valores e quais os benefícios. Utilize um comparador de planos e seguradoras! Procure também cupons de desconto, sempre tem algum disponível por aí.

Prefira sempre pagar através de boleto bancário, pois assim não haverá nenhuma taxa, seja de conveniência ou de processamento, e em alguns lugares, por escolher o pagamento em boleto bancário, é disponibilizado um desconto de 5% do valor total.

Sempre faça uma comparação entre os detalhes e benefícios ofertados, só assim você verá qual alcançará o seu custo-benefício. Além disso, verifique previamente a contratação do seguro viagem quais os requisitos mínimos que alguns países exigem, como por exemplo, na Europa, é exigido que os visitantes possuam um seguro internacional de viagem com valor mínimo de 30 mil euros.

Pesquise e entenda o sistema de saúde do país ao qual você está indo!

E, caso você seja um viajante frequente, pode ser interessante a contratação de um plano anual, o modelo chamado de Multiviagens ou Multitrip, em que o passageiro se sinta assegurado todos os dias – dentro de um ano, claro – em viagens que o período de duração não ultrapasse 60 dias.

Como contratar um seguro viagem?

A contratação pode se dar de diversas formas e por variados meios, como por exemplo de forma direta com a companhia aérea da sua viagem ou em agências de turismo de sua confiança.

A contratação não é burocrática ou de difícil acesso, vai depender das suas necessidades e prioridades.

Existe sim o seguro de viagem nacional, porém como geralmente a pessoa possui um plano de saúde ou utiliza do Sistema Único de Saúde (Rede pública) essa modalidade não é tão procurada.

Lembre-se, também, que alguns países exigem um determinado tipo de seguro, mas essas coisas você pode perguntar para aquele que vendeu sua passagem (mais confiável uma agência de turismo) ou pesquisar na internet, claro. Ah, e se você for praticar alguma atividade de risco (escalada, mergulho etc.) deixe sua seguradora ciente disso.

Durante a sua viagem, coloque os dados da seguradora em algum lugar acessível e conte para alguém de confiança, juntamente com o contato de alguém do Brasil.

Se você mesmo tiver que fazer esse contato com o seguro, o meio mais comum é o telefone; e se o seguro for pelo cartão de crédito, ligue para a operadora do cartão ANTES de viajar, anote todos os telefones do contato direto com esse seguro viagem.

Gostou das dicas? Esperamos que esse texto possa te ajudar!